sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

E o leite?!

O ser humano é, provavelmente, o único animal que dá continuidade ao consumo de leite após o desmame.Tal como nos outros animais, o bebé é alimentado com leite animal, normalmente, até ao seu primeiro ano de vida. Após esta fase e, ao contrário do que acontece com os outros animais, é aconselhado o contínuo consumo de leite animal apresentando argumentos em seu benefício que vão desde o auxiliar no crescimento do bebé até ao facto de proporcionar um melhor desenvolvimento e desempenho físico.


Leite: a clara crueldade não só com o bezerro!



Todos os animais mamíferos foram presenteados pela natureza com leite próprio para cada espécie. Por que só a espécie humana se alimenta e/ou alimenta seus “filhotes” com o leite específico de outra espécie?
Se o homem tivesse quatro compartimentos no estômago e precisasse crescer tão rapidamente como o bezerro, talvez tirasse algum proveito deste líquido tão alvo e tão carregado de gordura, mas não é esse o caso.
O conteúdo de colesterol de 3 chávenas de leite é equivalente a 53 fatias de bacon. É uma ilusão considerar o leite de animais um fornecedor de cálcio insubstituível, pois a CASEÍNA, um tipo de proteína do leite, impede que o cálcio seja absorvido pelo organismo humano.

Alguns pediatras apontam a caseína como a principal causa da mucosidade, congestão e dores de ouvido na infância. Com essa mesma CASEÍNA se fabrica uma cola muito forte, que é utilizada na carpintaria e na fixação de rótulos em garrafas. O ser humano, em quase sua totalidade, aos 3 anos de idade já não possui as enzimas necessárias para decompor e digerir o leite que são a RENINA e a LACTASE, daí tantos problemas com o consumo do mesmo e seus derivados. O leite desnatado ainda é pior para o consumo que o leite integral, não se iludam!

O consumo de leite e seus derivados tem ligação com: bronquite, asma, osteoporose, enfisema, colesterol, alergia ,diabetes, doenças coronárias, neoplasias malignas, problemas respiratórios, problemas de pele, doença de Crohn, prisão de ventre, cefaléias ( dores de cabeça) e outros.
Atualmente, uma vaca produz dez vezes mais leite do que sua natureza permitiria, graças aos hormonas que lhe são conferidos. As vacas são tratadas como máquinas: não tomam sol, não amamentam seus filhotes, e para combater as doenças, vários antibióticos lhe são ministrados além dos pesticidas. Quanto aos bezerros, são retirados de sua mãe assim que nascem, não lhes sendo permitido mamar nas tetas da mesma. São confinados em engradados de madeira ou ferro para que não se movimentem e assim produzirem a carne de vitelo, mais uma vez, para a satisfação humana!

O organismo humano pode produzir a gordura de que necessita através do consumo de hortaliças, exatamente como o faz a vaca. Em relação ao cálcio há uma grande disponibilidade do mesmo na natureza, não sendo necessário ao homem participar diretamente de tanta crueldade com nossos irmãos, que o digam a vaca, o cavalo, o elefante, a girafa e outros, pois todos os mamíferos, a maioria vegetarianos por natureza, se alimentam do leite da própria espécie quando bebês e de legumes, frutas e verduras , quando adultos, possuindo ossos fortes e saudáveis.


Leite, alimento ou veneno?

O Leite contém poderosos hormonas de crescimento provenientes de vacas tratadas com proteína bovina geneticamente modificada. Esta realidade é fruto de séria controvérsia trazida à luz pela engenharia genética, e colocou a indústria de laticínios americana sob uma investigação rigorosa.
Fruto de exaustiva pesquisa, este livro investiga como foram usados bilhões de dólares da indústria de laticínios norte-americana para influenciar a FDA e o Congresso americano assim como a comunidade científica e médica, enganando o consumidor sobre os perigos do Leite e produtos dele derivados.
Comprimidos para dor de cabeça, sprays para nariz entupido, descongestionantes e anti-histamínicos para aliviar sintomas de alergias enchem as prateleiras das drogarias e farmácias. São necessários laxativos para aliviar gases intestinais, inchaço, diarréia e síndrome de intestino irritado causado por intolerância à lactose, que incomodam ¾ da humanidade.

Sem o consumo de laticínios, talvez não fossem precisos todos esses antídotos. Meticulosamente documentado, escrito num estilo informal e cheio de vida, pontuado de humor irreverente, este livro vai mostrar que o leite é um perigo real para a sua saúde. Não se preocupe com o que você vai pôr nos flocos de cereais. O autor oferece muitas sugestões para substituir o leite.

Robert Cohen estudou psicologia fisiológica e fez especialização em psicobiologia no Southampton College da Universidade de Long Island, além de realizar pesquisas científicas no campo da psiconeuro-endocrinologia onde estudou a influência dos hormonas sobre a química do cérebro e o comportamento subseqüente dos mamíferos. Estudou genética, endocrinologia e fez cursos de histologia e fisiologia dos mamíferos. Dedicou vários anos de sua vida à pesquisa do material que constitui a base principal deste livro, documentando a existência de permanente lobby político que confundiu a opinião pública omitindo pesquisas que provaram que o leite não é um bom alimento.

Sem comentários:

Enviar um comentário