segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Mark Bittman: What's wrong with what we eat?

In this fiery and funny talk, New York Times food writer Mark Bittman weighs in on what's wrong with the way we eat now (too much meat, too few plants; too much fast food, too little home cooking), and why it's putting the entire planet at risk.

http://www.ted.com


segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Documentário sobre Eco-aldeias e Permacultura (Brasil)

Eco-aldeias e Permacultura - Um modelo de referência para um estilo de vida sustentável.


Conheça a filosofia e os múltiplos benefícios das eco-aldeias o do sistema de design conhecido como Permacultura. Estes novos paradigmas representam o futuro para a Humanidade. Este documentário foi produzido no Brasil.




sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Vegana - Uma animação educativa sobre os benefícios do veganismo

Vegana é um vídeo importante para ampliar consciências que demonstra como com simples gestos no dia a dia podemos construir um mundo melhor para todos os seres e para o planeta.

Pais de família, educadores, amigos dos animais, defensores, ambientalistas, amigos do Planeta, usem-no para transmitir conceitos de compaixão, ética e solidariedade  - de forma agradável - nas comunidades que frequentam.

Divulgue e mostre para as crianças.



Vegana from Instituto Nina Rosa on Vimeo.
Animação Vegana produzida pelo Instituto Nina Rosa
www.institutoninarosa.org.br

Making Of Vegana:

Contra os testes de cosméticos realizados em animais.

Ingredientes de Origem Animal e alternativas

Para os veganos, ou simplesmente para aqueles que pretendem evitar o uso de produtos que contenham ingredientes de origem animal, existem listas de ingredientes derivados de animais que estão presentes em produtos alimentares ou de higiene e limpeza.
É preciso ter em consideração que um produto que não tenha sido testado em animais não é sinónimo de isenção de ingredientes de origem animal, e vice-versa. Ou seja, para saber se um produto é vegano, é necessário saber se a marca testa em animais e também se o produto contém algum ingrediente de origem animal.
A lista de seguida está em inglês porque a maioria dos produtos que se encontram no mercado português apresentam a lista dos ingredientes nessa língua.

E o leite?!

O ser humano é, provavelmente, o único animal que dá continuidade ao consumo de leite após o desmame.Tal como nos outros animais, o bebé é alimentado com leite animal, normalmente, até ao seu primeiro ano de vida. Após esta fase e, ao contrário do que acontece com os outros animais, é aconselhado o contínuo consumo de leite animal apresentando argumentos em seu benefício que vão desde o auxiliar no crescimento do bebé até ao facto de proporcionar um melhor desenvolvimento e desempenho físico.


Leite: a clara crueldade não só com o bezerro!

Lacticínios e cálcio


Desenvolveu-se, pode escrever-se, um mito acerca da importância do cálcio e do consumo do leite de vaca. E no entanto as pesquisas vão no sentido de definir o leite como longe de ser o "alimento mais perfeito da natureza", pelo menos para o homem.
Quanto ao cálcio em particular, apenas absorvemos uma pequena parte do que se encontra no leite de vaca.

Os lacticínios são pobres em ferro, o que só por si inibe a absorção de cálcio. E o consumo de carne provoca perda de cálcio pela urina.
Grande parte dos vegetais e da fruta são boas fontes de cálcio mais facilmente assimilável pelo organismo. Basta consultar qualquer tabela de nutrientes.

Como qualquer mamífero, o homem pode, sim, ser "desmamado". Os mamíferos estão preparados para tomar o leite das suas mães durante o começo da vida. Depois passam a suprir as suas necessidades com outros alimentos menos agressivos.

Você Bebe Leite? 28 Coisas que Você Deveria Saber

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Nutrição VEGetariANA - Proteínas

O que são proteinas?

As proteínas são compostos orgânicos de estrutura complexa com uma massa molecular elevada e são sintetizadas pelos organismos vivos através da condensação de um grande número de moléculas de alfa-aminoácidos, através de ligações denominadas ligações peptídicas.

A polêmica da proteína na dieta vegetariana se baseia na afirmação de que as proteínas vegetais não seriam completas, sendo assim de baixa qualidade. Sabemos que não precisamos de proteínas, mas, isto sim, de aminoácidos, que são os formadores destas. Portanto, uma vez que tenham sido ingeridos todos os aminoácidos essenciais (assim chamados porque não conseguimos fabricá-los, precisamos obtê-los a partir dieta) em quantidades bastantes, não importá se eles vieram de uma cenoura ou de um porco.
A boa notícia é que para conseguir todos estes aminoácidos não é necessário ficar medindo as quantidades presentes em cada alimento. É algo que acontece naturalmente: o segredo é variar as fontes!

As fontes mais ricas são as leguminosas: feijões, lentilha, grão-de-bico, ervilha, soja e seus derivados, em especial o tofu, proteína de fácil digestão, rico em cálcio, super gostoso e versátil. Varie as leguminosas na sua alimentação, aproveite a multiplicidade de feijões existentes no mercado e as preparações possíveis. Uma dica importante quanto à preparação destes grãos é fazer o remolho antes de cozinhar: isso reduz o ácido fítico, substância que complica a absorção de vitaminas e minerais. O simples remolho, por si, já torna a digestão mais fácil e, de quebra, diminui o tempo de cozimento.
E como fazer o tal remolho? Escolha os grãos na noite anterior e coloque-os imersos em água. Quando for cozinhá-los, despreze a água e lave-os. A preparação é simples: água e temperos de sua preferência. Só vale lembrar que a lentinha faz exceção a essa regrinha: não precisa de remolho, pois contém pouco ácido fítico.


Fora as leguminosas, os cereais também são boas fontes de proteína, de maneira complementar às leguminosas. A famosa dupla arroz e feijão segue imbatível! Prefira sempre os integrais, pois, além de conterem fibras, conservam as vitaminas e minerais que seriam perdidas pelo o polimento – processo pelo qual não passam (daí o porquê do adjetivo “integrais”).

Conheça a quinoa, o cereal tido como alimento ideal para humanos. Rica em vitaminas e minerais, ela possui todos os aminoácidos essenciais (os que o nosso corpo não é capaz de sintetizar), apresentando assim uma proteína de ótima qualidade. Além disso, contém ômega 3 e 6, lipídeos essenciais para bom funcionamento geral do organismo e manutenção de níveis normais de colesterol, o que a torna uma aliada na prevenção de doenças cardiovasculares. A quinoa vai bem se adicionada a pães, granolas, sopas e bolos, e também serve como ingrediente principal em saladas, assados, etc. Vende-se a quinoa em grão e em flocos; é possível também encontrar farinha preparada a partir dela.

E como estamos falando em dicas, cumpre anotar: não tratamos aqui de esgotar o assunto. Mencionamos, como ponto de partida, as duas principais fontes de proteína na alimentação sem ingredientes de origem animal, mas isso não significa que outras fontes, como frutas, verduras e tubérculos (…) não contenham proteínas. De fato, contêm-nas, mas em menores quantidades. De qualquer sorte, chama-se atenção para a aura intuitiva que já destacamos: variando as fontes, o processo acontece naturalmente.

A proteína é um macronutriente bastante importante na manutenção do organismo, tem função construtora. É formada por carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio. Cada grama fornece 4 calorias. Seguindo a orientação do WHO (Organização Mundial da Saúde) temos a necessidade de consumir, de 10-15% de proteínas/dia. Asproteínas podem ser de fonte animal (leite, ovos, mel) ou vegetal (principalmente leguminosas).
Após ocorrer a digestão das proteínas, elas se transformam em moléculas menores que recebem o nome de aminoácidos. Existem dois tipos de aminoácidos: essenciais (que obtemos através da alimentação) e não essenciais (o organismo sintetiza). Também existem os aminoácidos semi-essenciais, que o organismo sintetiza através de outros aminoácidos. O organismo não armazena aminoácidos (ao contrário de carboidratos e lipídios) precisamos estar sempre consumindo alimentos que contenham este nutriente.

As principais funções da proteína no organismo são: constituir hormônios, enzimas, anticorpos, auxiliar o transporte de lipídiose vitaminas lipossolúveis e formação de células. A última função considero muito importante, pois torna a proteína um nutriente construtor (como disse acima), por este motivo que ela é tão citada para aqueles que desejam se tornaremvegetarianos/veganos. Com uma alimentação balanceada a quantidade necessária de proteínas será suprida. Um prato que todos os brasileiros adoram é o arroz e feijão, que fornece uma quantidade ótima de aminoácidos biodisponíveis (simplificando, que é muito compatível com o organismo e é absorvida com facilidade).
Muitos insistem em falar que vegetarianos/veganos são anêmicos ou tem uma propensão maior a esta doença. Isso é mentira, qualquer pessoa que não tenha uma alimentação decente tem anemia, isso é fato! Comer carne não é sinônimo de saúde. Para uma pessoa ser saudável, é necessário ter uma alimentação balanceada e diversificada, comendo carne ou não.

Seguindo a pirâmide alimentar, podemos consumir de 2-3 porções de proteínas/dia.
Veganos podem consumir até 3 porções a mais de leguminosas para compensar os derivados.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Veganismo - A Vida Interligada


Um acto diário que pode mudar a nossa vida e o mundo

Um excelente vídeo educativo e inspirador, que apresenta informações importantes sobre questões éticas, ambientais, de sustentabilidade e sociais dentro da temática do vegetarianismo e do consumo de produtos, que representa um assunto urgente e de vital importância para a sobrevivência de todo o planeta e da espécie humana.

Este vídeo demonstra como ao mudar alguns hábitos diários, podemos fazer uma grande diferença no mundo, mudando muitos paradigmas existentes para outros mais benéficos para todos.

Seja a mudança que quer ver no mundo.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Feliz Dia dos Namorados!

"RESPEITAR os Animais é um DEVER de TODOS...
AMÁ-LOS é um PRIVILÉGIO de poucos..."






Nutrição Vegetariana/Vegana

Alimentar-se de modo saudável é muito importante; afinal é através da alimentação que conseguiremos energia para poder cumprir as tarefas do dia-a-dia. Além disso, comer é um dos maiores prazeres que temos. Muitas pessoas já me afirmaram que o maior prazer da vida delas é comer! Por isso que temos de tomar cuidado com o que e quanto comemos de cada tipo de alimento.
E isso não muda para as pessoas que são vegetarianas ou veganas.


(clique na imagem para ver maior)

Para nos ajudar, existe a pirâmide alimentar que nos informa a quantidade e porções que devemos consumir de cada tipo de alimento, afim de que não falte nada ou não seja um consumo exagerado. Excesso de macro ou micronutrientes no organismo podem causar doenças.

Vegetarianos e veganos também tem as suas necessidades diárias de macronutrientesmicronutrientes e líquidos.
Mas, o que são macronutrientes micronutrientes?

Macronutrientes compreendem os carboidratos, proteínas e lípidos; que são os nutrientes que qualquer ser vivo precisa consumir em maior quantidade. Já os micronutrientes são as vitaminas e minerais; que são os nutrientes que qualquer ser vivo precisa consumir em menor quantidade. Por este motivo que temos de tomar cuidado em termos uma alimentação balanceada.

Como obter todos os nutrientes dos alimentos naturais integrais?


PROTEÍNAS
Sementes: linhaça, abóbora, girassol.
Grãos: ervilhas, feijões, lentilhas, amendoins, grão de bico, soja, além de nozes, amêndoas, Castanha-do-pará, castanhas de caju.
Cereais: trigo (pães, massa), aveia, centeio, milho, arroz, quinoa.
Soja e derivados: tofu, tempeh, proteína texturizada de soja (PTS), leite de soja.

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável.

VITAMINAS
Vitamina A: vegetais vermelhos, laranjas ou amarelos, folhas verdes e frutas.
Vitaminas do complexo B: leveduras e cereais integrais, nozes.
Vitamina C: frutas frescas, verduras.
Vitamina D: produzida pelo próprio organismo quando exposto ao sol.
Vitamina E: óleos vegetais, cereais integrais.
Vitamina K: vegetais frescos e cereais integrais

MINERAIS
Cálcio: folhas verdes, nozes.
Fósforo: gérmen de trigo e castanhas.
Ferro: folhas verdes, cereais integrais, feijão, lentilhas. O consumo de alimentos ricos em Vita mina C aumenta o seu aproveitamento.

CARBOIDRATOS
Há 3 tipos principais de carboidratos: açucares simples, amidos e fibras dietéticas.
Os açucares são encontrados nas frutas, amidos são encontrados em cereais, grãos, e alguns vegetais, como a batata. Carboidratos não refinados, obtidos a partir de cereais integrais são de melhor qualidade, por conterem fibras e vitaminas do complexo B.
Fontes comuns de carboidratos são pães e massas em geral.

FIBRAS
Frutas, amêndoas, castanhas, côco, aveia, trigo, centeio, folhas, ervilhas, feijão.

GORDURAS E ÓLEOS
Apesar de serem prejudiciais em quantidade excessiva, um certa quantidade é necessária para o corpo. As gorduras vegetais tendem a ser mais insaturadas, sendo um dos benefícios mais evidentes da dieta vegetariana. Entre as gorduras mono-insaturadas, destaca-se o azeite. Entre as poli-insaturadas, o óleo de girassol.